Os alunos do 1º ano do Ensino Médio presenciaram uma aula diferenciada através do experimento “A Serpente do Faraó”, realizado pelo Prof. Wagner de Química.

Em ambiente externo, o Prof. demonstrou o efeito combustão da sacarose onde ocorre o crescimento de estrutura semelhante a uma cobra de cinzas.

“O açúcar comum é a sacarose (C12H22O11) e o bicarbonato de sódio é o sal hidrogenocarbonato de sódio ou carbonato ácido de sódio (NaHCO3).
Quando a sacarose queima, ocorre a sua combustão completa e, assim como ocorre com todos os compostos formados por carbono, hidrogênio e oxigênio, os produtos liberados são dióxido de carbono e água:

C12H22O11(s) + 12 O2 (g) → 12 CO2(g) + 11 H2O(l)

Ocorre também a decomposição térmica do bicarbonato:

2 NaHCO3(s) → Na2CO3(s) + CO2(g) + H2O(l)
Na2CO3(s) → Na2O(s) + CO2(g)

Além disso, nesse processo também ocorre a combustão incompleta da sacarose, em que um dos produtos é o carbono, constituinte do carvão. É por isso que se forma a estrutura de cor preta. O gás carbônico liberado tanto na combustão completa da sacarose quanto na decomposição do bicarbonato faz a estrutura de carbono inflar, crescendo, e é isso que dá o efeito de uma serpente subindo.” Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química – http://educador.brasilescola.uol.com.br/estrategias-ensino/serpente-farao.htm